Textos


Imagem do Google

SAUDADE QUE VEM, SAUDADE QUE VAI
 
Alô amigos, eu aqui estou de novo
Matando a saudade do meu rincão
Sou recebido nos braços do povo
Quase não suporto tanta emoção
Para mim tudo isto é um renovo
Que faz bem ao meu pobre coração.
 
Onde estão os amigos do papai?
Já partiram para a última morada
Saudade que vem, saudade que vai
Assim minh’alma vai sendo açoitada
Bons momentos não voltam nunca mais
Cada qual segue o que está destinado.
 
Daqui tenho mui  boa recordação
Companheirada do tempo de infância
Me hospedaram com churrasco e chimarrão
São os velhos amigos desde criança
U’a grande festa de recepção
Revê-los já havia perdido a esperança.
 
Hoje já sentem o peso da idade
Passaram muitos e muitos janeiros
Mas continuam firmes nas suas jornadas
Com Deus que da noss’alma é o candeeiro
Té quando chegar o final da estrada
Podemos dizer: Fui um bom caminheiro.
 
(Christiano Nunes)





Linda interação de   Jacó Filho

Fiz aceiro pro roçado
Colhi milho e cana
Moldo verso no brocado,
Mesmo não rendendo grana...
Christiano Nunes
Enviado por Christiano Nunes em 08/11/2017
Alterado em 12/11/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (www.christianonunes.recantodasletras.com.br). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr