Textos


Imagem do Google

O ANDARILHO 
 
Vou andando pela estrada sem parar
Durmo no mato ou onde me derem pouso
Co’a mala de lembranças a levar
Té o dia que na vida achar repouso.
 
Mesmo sofrendo voltar eu não quero
É o destino de um pobre andarilho
Visto-me do que me dão e sou sincero
No caminho do sol sigo o seu brilho.
 
Contemplo as maravilhas da natureza
Instrumentos de trabalho é a caneta
Lápis e papel é minha riqueza
Em meio ao choro sai a poesia seleta.
 
Com meu olhar triste contemplo o céu
Entre lágrimas contemplo o pôr do sol
Esqueço o sofrimento e viajo ao léu
Faço alguns versos olhando o arrebol.
 
Andarilho vai a chorar e a sorrir
Quem olha para ele não dá valor
E assim com seu destino a prosseguir
Com seu versejar vivificador.
 
(Christiano Nunes)




Este poema é uma republicação. Publicamos a primeira
vez em outubro / 2016
Christiano Nunes
Enviado por Christiano Nunes em 02/01/2018
Alterado em 02/01/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr