Textos


Momento da entrega da premiação aos escritores classificados no concurso literário de São José dos Pinhais - Pr
                         

USE O CINTO SENÃO... SINTO MUITO
 
 
                   Antes da aurora Abedenego costuma levantar. Prepara o seu café, junta o lixo e leva até à lixeira na beira da rua. Depois disso toma o seu cafezinho. A sua esposa dona Mália levanta só depois que os serviços básicos estão todos prontos. Entra no trabalho às sete da manhã e toca até dezesseis e algumas vezes até o final do dia. No volante sempre cuidadoso. Mas como dizem, existem aqueles momentos de bobeiras. Até ali com ele não havia acontecido.
                  Houve um dia em que choveu ao amanhecer. O senhor. Abedenego pegou o seu carro e saiu para o trabalho. Deu carona para o seu colega Manoel, mais conhecido entre os amigos como Mané ou Manezão. Lá se foram os dois estrada afora. Conversavam e davam risadas enquanto a chuva caía sem parar.
                  - Mané, coloque o cinto. – Falou Abedenego em tom de brincadeira. Eu estou com o meu. Você não, Manezão.
                   “Risos”.
               - Rindo, mas agora é sério. Coloque o cinto senão sinto muito. – Ordenou o amigo do volante.
                - Sinto muito meu amigo. A estas horas não existe policial por aqui. Não precisa. - Respondeu Mané.
                  - Quem avisa amigo é...
Depois dessa conversa seguiram em silêncio. Abedenego preso no cinto e o amigo sem.
Numa curva a aproximadamente um quilômetro dali, o carro derrapou. O jovem senhor que conduzia o veículo na hora do apuro se perdeu no volante. Este desgovernado rodopiou na pista. Saía e voltava na estrada. Capotou. Naquela hora Manoel foi arremessado para fora. Bateu a cabeça no chão. Teve lesões graves. Demorou meses para se recuperar.
A prudência do Abedenego evitou uma gravidade sem tamanho. Poderia ter ido a óbito. Mas teve apenas ferimentos leves. O que ajudou a evitar o pior foi o cinto de segurança.
                 Depois de quase um ano, o amigo que trafegava no veículo como passageiro e teve o acidente grave voltou à vida normal na empresa. Mané e Abedenego continuaram a ir trabalhar com o carro. Rachavam o combustível, mas ambos utilizando o cinto de maneira correta. A conversa do Manezinho mudou. Dali em diante este alertava o amigo motorista e colega de trabalho sobre o uso de tão importante equipamento de segurança.
                     - Use o cinto Abedenego. Se não usar... sinto muito.
Ambos riram.
                         - Aprendeu né seu Manezão.
                 Continuaram rindo os amigos como se alguém lhes falasse uma piada...
 
 
(Christiano Nunes)
 
 
 
PS.: Com o conto acima, tivemos a felicidade e a sorte em ficarmos com a Menção Honrosa no concurso literário 2018 promovido pela Secretaria da Cultura de São José dos Pinhais – Pr.

Obrigado meu D'us

 
Christiano Nunes
Enviado por Christiano Nunes em 10/11/2018
Alterado em 10/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr