Textos


Imagem do Google

VENHO DA ROÇA 
 
Eu venho da roça
Não tenho leitura
Lá deixei a paióça
Onde existe ar puro.
 
Vim para a cidade
Não aprendi a lê
Oh! Tenha piedade
Mi insina a iscrevê.
 
Não sei andá na rua
Sou desajeitado
Só sei oiá a lua
Sou um mar forjado.
 
Quero ir para a escola
Direito que tenho
Aí meu ser decola
Em tudo me empenho.
 
Dê-me uma cartíia
Que insine o arfabeto
Vai ser maravíia
Pois sou anarfabeto.
 
Vou conhecê pracas
De ônibus e loja
Eu não sô panaca
Pois isso me anoja.
 
Sou bão cidadão
E trabaiadô
Só sem instrução
Mas amo o labô.
 
(Christiano Nunes)
 
Inverno / 2019
 
 

OS.: O poema acima é uma republicação. Formatamos
de modo caipira.
A primeira vez que publicamos no Recanto foi em
Setembro / 2013
 


 
Christiano Nunes
Enviado por Christiano Nunes em 03/08/2019
Alterado em 03/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr