Textos


10 ANOS DE RECANTO DAS LETRAS E 2200 TEXTOS
 
               No mês de julho de 2009, isto é, há 10 anos fiz o cadastro no Recanto das Letras. A princípio pra mim era um passatempo. Estava me reestabelecendo de algumas cirurgias, uma experiência difícil que por um fio não me mudei para o andar de cima. Eu sem nada o que fazer resolvi pesquisar alguns sites para publicar meus contos, minhas poesias, enfim, meus escritos. Havia postado em outro site, mas só aceitava poesias. E nessa pesquisa descobri o Recanto das Letras. Nesta feita comecei a publicar meus poemas ali.
             Os anos se seguiram. Eu me empolguei tanto em escrever que fui pesquisar outras modalidades literárias. Eu escrevia contos e poesias. Tive a sorte e a felicidade em ter meus trabalhos classificados e algumas vezes em primeiro ou segundo lugar. Isto me incentivava a escrever e aprender.
          A primeira crônica, escrevi aqui depois de ter entrado para o Recanto. Depois desta, fiz várias outras. Até fui classificado em alguns concursos de literatura. Aqui aprendi a escrever outras modalidades literárias. Até criei dois experimentais que foram bem aceitos. Vários poetas fizeram e ainda fazem os poemas utilizando os mesmos. Estes são: Vaivém Nunix (uma forma de brincar com os versos e as rimas) e o Poeko (ecos da poesia ou poesia com ecos).
            Considero este abençoado site como uma grande escola na literatura. Aqui aprendi e continuo aprendendo.
                Enfim, em primeiro lugar agradeço a D’us por ter me dado esse dom que com bastante humildade tenho usado. Agradeço a todos os poetas que me incentivaram, à administração e a todos aqueles que me leem. Que o Eterno os abençoe ricamente.
 
(Christiano Nunes)
 
 
Christiano Nunes
Enviado por Christiano Nunes em 02/10/2019
Alterado em 02/10/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr