Textos


Imagem do Google

VENHO DA ROÇA 
 
Eu venho da roça
Não tenho leitura
Lá deixei a paióça
Onde existe ar puro.
 
Vim para a cidade
Não aprendi a lê
Oh! Tenha piedade
Mi insina a iscrevê.
 
Não sei andá na rua
Sou desajeitado
Só sei oiá a lua
Sou um mar forjado.
 
Quero ir para a escola
Direito que tenho
Aí meu ser decola
Em tudo me empenho.
 
Dê-me uma cartíia
Que insine o arfabeto
Vai ser maravíia
Pois sou anarfabeto.
 
Vou conhecê pracas
De ônibus e loja
Eu não sô panaca
Pois isso me anoja.
 
Sou bão cidadão
E trabaiadô
Só sem instrução
Mas amo o labô.
 
(Christiano Nunes)
 
Inverno / 2019
 
 

OS.: O poema acima é uma republicação. Formatamos
de modo caipira.
A primeira vez que publicamos no Recanto foi em
Setembro / 2013
 


 
Christiano Nunes
Enviado por Christiano Nunes em 03/08/2019
Alterado em 03/08/2019


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr